quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

catorze

às vezes
se quer
perguntar
e não se pergunta

nem é que não se ousa
é só que não se cabe

dentre sete pulseiras
que posso
imaginar que

por ventura
por pertença
a seu braço

fico com catorze

cataventos, moinhos
movimentos circulares
sem sair do lugar

- nós nunca saímos do lugar
- em que lugares nós fomos?
- lugares logos legos ligas

eu não gosto de como isso fica
eu tenho
minha idade meu segredo minha promessa
eu tenho esse poeminho

é uma espécie
de um nada
um coisa nada

fico assim
meio
que ilhada

me pergunta
se estou
revoltada

(estou domada)

Nenhum comentário: