terça-feira, 10 de janeiro de 2017

vai estar tudo bem

com dez mil e dois
batalhões à frente de casa
e eu abro a porta e dou um olá
um alô
um oizinho

eu estou de vestido de noiva
manchado de sangue

eu não matei meu amor
eu cortei um pescoço de um porco
eu tentava fazer uma feijoada
eu costurei na minha pele as orelhas
eu queria me tornar um ser adverso
eu buscava fazer uma mistura com segredos e sonhos
eu não esqueci nenhum dos temperos de minhas bisas
eu fazia de mim uma hecatombe em pé

os batalhões me olhavam com fome
eu que deveria fornecer-lhes comidas
eu não tinha porcos o suficiente
e nem feijões

eu ainda vou subir aos céus
vestido de noiva
sapato de salto se prendendo nos galhos
sustentação elevação canção
e vou desposar um gigante
ou uma giganta
ou coisa gigantesca

tudo porque
não me matei o meu amor
eu não matei o meu amor
não matei eu não matei

(meu amor fugiu de mimmmmmmm,
meu cabalo me deixoooooooou,
chorei pelo meu cabalo, chorei pelo meu amor)

mas meu cabalo
oh o meu cabalo
balor do meu cabalo
saiu correndo beloz cabalo

eu ainda vou subir aos céus
vestido de noiva
vou cair dos céus
sapato de salto
vou me misturar aos porcos
orelhas costuradas pela pele toda
se dá pra ouvir

sinais sinais sinais sinetes
explosões
e se minha atenção aumenta
e também
eu sei ler eu sei de cor
me faço feijoada completa
me dou aos

dez
miledois batalhões

e comem e fazem
uma guerra confusa
e comem e fazem
farras de espadas e espadas e espadas
e espadas e bainhas e espadas
e bainhas e bainhas e bainhas
e bainhas e espadas e bainhas
e comem e fazem
vitórias pódios troféus
e comem e fazem
medalhas pra quem goze mais

eu estarei escorrendo

vai estar tudo bem

tudo bem, porque eu estarei escorrendo
então vai estar tudo bem

Nenhum comentário: