quarta-feira, 23 de novembro de 2016

A Ladainha do Moço

Ser gaivota
jaguar
naja

Tremer com brisas
marés
dunas

Ter sonecas
partos
festas

Abrir-se em cenas
sinas
rumos

Sempre intuir
seguir
chorar

Jamais ir
fechar
nem ser visto.


transcriação a partir de A Chave do Cofre, de Torquato Neto

Nenhum comentário: