quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Do dilúvio

delineios desenganos
igreja refletida no pântano
redes de pesca,
de tear, de dobradiças,
de possíveis táteis
qual mesa voadora
qual rodamoinho do saci
qual desaparecidos da ditadura
quem
onde
que
existem radicalidades dos alcances,
cantos abissais,
ninguém chega lá,
a semana inteira
fiquei esperando
pra te ver fodendo
pra te ver lacrando
quando a gente ama
rios saem de órbita quando
a gente ama qualquer
rima devira
fome
descabe os remares
desabe os montes
antes
ou depois
Do dilúvio:
eis o cesto

Nenhum comentário: