sábado, 10 de setembro de 2016

revolteio em loucas

ocasionalmente tenho projetos, ocasionalmente deixo palavras correrem algo livres nunca risonhas minto às vezes sim risonhas e livres mas só às vezes, ocasionalmente começo algo e chego no final com outro-algo, o algo do início não disse ao algo do final como o queria, como quando dizem ao ser que ele é menino mas ele é menina, ou qualquer coisa entre menino e menina ou além ou antes ou depois, às vezes eu corro pra alcançar e às vezes corro pra ficar longe, às vezes nem corro e fico só olhando e lá vem o trem e ele vem do céu e das nuvens e é o juízo final, aloka, ocasionalmente ou até via de regra eu me digo para não me levar a sério e disso encontro os efeitos mais estranhos, já que não sei medir os efeitos ficam como feitos, desses de menor valor, voltaemeia, porque o menor valor é importantíssimo necessário e eu diria mais até diria que ele é crucial pro bom andamento das coisas, não que se busque aqui um bom andamento, veja só, vezes se busca andamento algum, ausência de andamento, vezes rolamento, vezes paralisia, é que é necessário articular situações me parece, se bem que vezes a gente pega o necessário e mete nele roupas bufas, então dá-lhe misturas heterodoxas, tipo feijoada e chocolate no mesmo prato cê arrisca hã quem arrisca me diz me diz quem arrisca




inevitavelmente isso se tornou uma referência a uma amiga querida, ainda que sem intenção de tal

Nenhum comentário: