sábado, 28 de maio de 2016

qual, quais

trovão que cai em ti
enquanto se move, ou se atrás de ti,
faz tua sombra gigante, e tua sombra é o que de ti?, e se
caído em ti, jazerá
morto pálido à minha frente, e depois arroxeado, e tocarei minha fronte?,
e direi pânico e direi pavor e direi tempestades maldigo a vós
que tiram de mim o amor o amado a possibilidade o sonho que me fazem ver
a enormidade do nada, grande nada,

a luz que eu via nos teus olhos
era luz que havia em mim era
luz de engano e engodo
era luz afinal
era
???

quais cicatrizes,

se o trovão te levanta e
você inventa de por
um vestido e de dizer
essas coisas todas que saíam de mim e
encontro você assim
qual

delírio
?
?
?

Nenhum comentário: