quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

a hidra

é um mecanismo simples
que, preso à mão, faz com que ela
suba e desça
suba e desça
suba e desça
com fins alheios à própria
mão

é o terror dos manequins
que vestidos com tantos tecidos
sem sentir frio algum, algum, algum

é uma caixa metálica lotada
que de vez em quando para e segue
para e segue
para e segue
contornando obstáculos
e deixa no chão os binóculos
de qualquer garota que ousa sonhar
e ainda a faz pagar

é a lama, é a lama, é a lama

é um carro metralhado
e jovens pretos mortos
que só queriam lanchar
e celebrar
celebrar
celebrar, mortos, mortos,
irremediavelmente mortos

é um animal que pensa
que as filhas são suas
para delas dispor, e as
devora, devora,
devora

é o índio, sua marca na rua,
e não marca as almas,
queimado, queimado, queimado

quantas são as faces
do derradeiro, do limite
e dos suspiros
(que sufocam gritos)?

Nenhum comentário: