segunda-feira, 7 de setembro de 2015

colônia penal

instâncias julgadoras,
nada de muito sublime:
muito pelo contrário
um tanto quanto torpes

estações de ano
e de trem vão e vem
pelo ausente me sustenho
faço prelos e preliminares

olhares, paroles
do grande nada, balbúrdia
chamuscos salpicam a calçada

saltimbancos embotados
num cinzento triste e cansado
volteio pelo palco

um tanto quanto morna
essa minha
colônia penal

Nenhum comentário: