quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

o pássaro

dança delicada essa
do que chamei um dia pés,
só posso dizer o dilacerado

voa, meia volta, volta,
inquieto, de vez em quando,
e sempre volta,
certíssimo da labuta.

e o velho,
corcunda e manco,
pergunta
como eu poderia aguentar?
e diz que vai me aliviar. só que

a ave,
que tudo ouve,
se lança minha garganta adentro
- ufa -
bico e tudo.

faz-me giros,
faz-me saltos,
ora branco, ora negro,
se sacia

até a última linha
encharcando o pó, a vida
um longo silêncio fez

Nenhum comentário: