quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

bilhete na mesa da cozinha

fique aí até a primavera, te peço, que você precisa mesmo ver as violetas. saía pela casa, pinte os azulejos, deixe raios e montões de pegadas por aí. quando estiver sentindo tédio, pegue um guardanapo e comece a escrever, ou a desenhar, ou tente ler as ranhuras. cada objeto possui uma própria linguagem secreta, e você como objeto de meu afeto também deve passar a entender esses acidentes. não fomos mais que noções apagadas numa rua escura de um domingo chuvoso e tudo isso bastou o suficiente. tem um novelo por aí, segunda ou terceira gaveta, da cômoda, não da bancada, do quarto de visitas. brinque com o gato. nomeie-o, faça como quiser, finja bem mesmo que ele é seu. mas se quiser tecer uma blusa, fique à vontade. fique. fique para o inverno e aproveite com sua nova blusa. a cozinha tem temperos. dá pra fazer uns feitiços batutas.

Nenhum comentário: