sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Cinzamargo

Grávida de mundotodo
Barriga prestes a explodir
Em mil confetes coloridos

Mas, dize-me, como?,
Se o mundo é cinza ou pretoebranco

Os enjoos de cada manhã cedo
São os mesmos

É que cada manhã cedo
Diz maisoumenos o mesmo dia

Toca a trombeta no fundo da tela
É findo, é mundo, não é nada bela

A barriga roxa, o filho cinzento,
Um amanhecer pálido,
Um adormecer fingido

Nada sãos são os sonhos
A perseguir na rota estreita

Pelos paredões ficam
Pedaços de pele

As estrelas no céu riem
Perpetuamente

Escárnio da terra

Nenhum comentário: