quinta-feira, 29 de setembro de 2011

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Tornos

tocas meu pulso
sinto pulsares.
tomado,
estado tomos:

maremoto de palavras,
monótona torrente,
...,
queda-te.

possamos ser
abissais
colossos.

na outra vida peixe foste
lá no fundo.
tudo te pesava
e retinhas teu lume
torto.

que fazes, agora?
que agora que fazes?

toca meu pulso
perco meu passo
tocado
esteliforme.

tomados estamos
supremos, cadentes.
instantes, luzentes.
sagrados, poentes.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

negro corvo, cinza céu

negro corvo voa no cinza céu
estilhaços, os algodões estrada aolongo

ei-lá a
passada de certa dor
veloz
mergulha rápido se esconde foge
que vão tentar te fazer sumir, dor,
eles não gostam de você, dor

negro corvo cai no cinza céu
langor, estrada aolongo os algodões,
passado: incerto alongamento,

desejo, tu não tens terreno aqui,
querem tu branco
pálido
dobrado
plácido,

negro corvo some no cinza céu
poeira, aolongo os algodões estrada
feitos caminhos caiados
rastros sem costura
nexo iluminura não
não cobertor não moldura não anteparo não muleta não

deixar
ei-lá

deixar, ei-lá, relento

(:

recife e olinda,
suas linda!