domingo, 24 de julho de 2011

julho, vintequatro, doismileonze

só eu mesmo pra entender o meu nível de babaquice.

e entender como que me parece que eu sempre e pelo resto da vida vou lembrar de fulaninho com uma música aí.

e lembrar que isso já deve ter me parecido antes em outras situações, e não se realizou.

e pensar na lua, no sol, nas estrelas, nesse vento bom, em todas essas coisas,

e lembrar de curitiba e de todas as outras viagens. as feitas e também as não feitas.

gloriosos dias de leão estão vindo pelo horizonte, o que diabos vocês me reservam de tanto ou de pouco?, e depois os de virgem, os de libra, os de escorpião, e se seguirão de novo até de novo leão.

meus cabelos brancos vão aumentar. meu cabelo vai continuar crescendo e sendo cortado. as unhas. e volta e meia os sonhos.

um dvd na sala de casa, uma galera da família aqui em casa, tios, primos e etc. um dvd de músicas antigas, coisas como bonnie tyler, kc & the sunshine, e etc. eles lembram de suas vidas há trinta anos atrás, cantam. na sacada, uns falam mais ou menos besteiras. todos bebem. eu tou tranquilo, sem cerveja.

meu pai fala muita besteira. é engraçado.

eu falo muita besteira. é engraçado.

eu imaginei cenas de filmes com tanta gente já, e pouco, ou nada.

eu não imaginei tanta coisa que já, e muito, e demais.

Nenhum comentário: