segunda-feira, 29 de março de 2010

unsent


vi um filme hoje, lembrei muito de você, dessa coisa sua de ser sol, sabe? e é meu signo que é de leão. bom que você não vai ler isso. acho muito bom. por mais que eu quisesse que você lesse. de alguma forma, talvez qualquer ficção que eu escreva e queira que a pessoa não leia tem você no meio. tenho uns fragmentos de memória, muita raiva e saudade também. mas agora, principalmente saudade daquela sua luz confusa. lembro de um dia na sala de sua casa. com vinho e declamação de poesia. patético. lembro de um dia embaixo do meu prédio, brincando com os óculos, de abrir e fechar os olhos. lembro de um dia ao telefone, quando quis pela primeira vez me jogar pela janela. foi tão pesado o que ouvi que nem me lembro mais do som ou das palavras. a lembrança meio que se tornou uma paródia, uma espécie de caricatura. é até engraçado. mas não vou dar mais espaço para isso, não há salas o suficiente, pelo menos não agora. e aqui em casa está tudo uma completa bagunça. e calor. tão ridículo que o ventilador acabou de se jogar ao chão, meio que parecido com o peixinho sucida daquele filme daquela menina. acho que você será sempre meu doppelgänger, eternamente me lembrando de um caminho não seguido e de um tempo que não vai voltar.


(escrito a long time ago, acho que 2008)

Nenhum comentário: